sexta-feira, 14 de setembro de 2012

O que fazer quando a Maria


  • Insiste que é a mãe que a tira da cadeira do automóvel quando o pai já iniciou a tarefa;



  • Quer que o pai encha um copo de água quando a mãe já tem o copo quase cheio;



  • Pede que seja a mãe a tirá-la da cadeira da mesa quando o tio até já se ofereceu para a tirar;

  • Esvazia gavetas e armários enquanto a mãe faz a cama ou toma duche;

  • Risca as pernas em dois segundos enquanto a mãe imprime um documento importante;




Para (quase) tudo é «mamãaaaa»!!
No fundo considero-me uma privilegiada pelo facto da Maria se lembrar SEMPRE da mamã nas mais diversas ocasiões. Quando cai (quer se magoe ou não), quando acorda a meio da noite (bonito não vos parece?); quando é contrariada; quando se metem com ela; quando tem sono, mimo ou fome ou simplesmente quando lhe apetece (e apetece muitas vezes!). Mas há situações em que o pai até se fica a rir, o tio agradece e a mãe fica a bufar. É que às vezes também sabe bem ver os outros a marchar e a mãe a descansar. 
Das duas uma ou a minha dose de paciência nem sempre é a mesma ou há dias difíceis!!!



18 comentários:

  1. Há dias muito difíceis!! :)) Mas no fim, tudo é recompensado!!
    Um beijinho e repira fundo ;)

    ResponderEliminar
  2. Sem querer dar alguma lição, todas as primeiras questões, são respondidas da mesma maneira, acabar o que se começou. Se houver hesitações e apoio a acções contrárias ao que foi decidido inicialmente as crianças vão se aproveitar, e repetir, apenas e sempre para nos testarem. Elas estão sempre a por nos á prova, e se topam que ha reacções diferentes dos pais a uma situação não vao hesitar em aproveitar-se dela.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade e é isso que fazemos SEMPRE . Nestas situações não cedemos e por mais que esperneie, recuse ou negue, as ações são concluídas pelo mesmo que as iniciou. Mas não deixa de ser inquietante para nós pais, sobretudo se uma cena destas acontece fora de casa, onde é mais difícil levar a cabo a nossa persistência. E ao mesmo tempo questionamo-nos "Porquê?" Será apenas pelo prazer de contrariar? Tão pequenina e já cheia de firmeza nas suas vontades??

      Eliminar
  3. Minha querida Li como compreendo esta fase da M. a F. foi igualzinha, e ainda hoje ameu amor a mamã serve para tudo, tudo mesmo, adora estar com o papá, avós, seja quem for mas a mamã é que é chamada a toda a hora! No fundo não me importo, mas desgasta-nos tanto por vezes... o que tentava fazer com a F. era mesmo conversar, e conversar, resistir à birras e birrinhas, para que no fim entendesse que estava errada, e devo dizer que quase sempre funciona bem! Beijinho grande!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tb (tento) explicar tudo, justificar tudo, argumentar da melhor forma possível para levá-la a entender os porquês de não se fazer, de não se riscar, de não se estragar... mas admito que nem sempre sou bem sucedida :( e sim por mais que façamos por amor... o desgaste é inevitável em muitas situações.

      Eliminar
  4. É bom lembrar-se sempre da mãe mas também é extramamente cansativo e quando alguem já iniciou uma tarefa não podemos interromper só porque ela quer que seja outra pessoa a faze-la porque se não a coisa piora :)bjinhos

    ResponderEliminar
  5. Acho que há dias difíceis, e acho também que a paciência não é sempre a mesma!
    Temos que respirar não uma, nem duas, mas uma dúzia de vezes! Bem fundo!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Raquel e funciona mesmo!!! O respirar fundo ou contar até ... 50 ajuda imenso, sobretudo a que não nos precipitemos (muitas vezes mesmo com adultos quanto mais com crianças!!!) bjs

      Eliminar
  6. Mae é mae e a tua pequenina ja te sabe dar a volta... mas sao giros esses acontecimentos, tás a ver que ela já tem uma personalidade quase formada, ja sabe o que quer e como te levar a bom porto. Conhece-te por dentro e por fora :) beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas confesso que algumas atitudes dela em que mostra aquele (mau) feitio persistente e teimoso me deixam com os nervos à flor da pele! A Maria tem tanto de boazinha, de meiga e de carinhosa como de repente se revela numa birrenta afinada para desespero dos pais!!! Mas verdade seja dita (ainda) não fez cenas fora de casa. Penso que até ao momento tudo isto se deve ao excesso de mimo por parte de familiares próximos. beijinho

      Eliminar
  7. Acontece-me o mesmo e eu só penso que gostava de ser como a mãe do Ruca :)
    Um beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  8. mãe é sempre mãe, uma super mulher!

    ResponderEliminar
  9. O post está muito engraçado.

    E acho que é isso mesmo: por um lado queremos que eles nos chamem; por outro, ficamos de rastos! ;)

    ResponderEliminar